domingo, 8 de dezembro de 2013

Trinta por uma linha


Trinta por Uma LinhaNas bibliotecas escolares, os alunos do 3º ano leram e ouviram ler alguns contos da obra de António Torrado Trinta por uma linha.
Neste livro reúnem-se trinta contos pequenos, muito divertidos, muito engraçados. Desde a Aldinha que gosta tanto da escola que decide ensinar as formigas a ler; A gota de água que não quer cair em qualquer lugar; A bolacha Maria que não queria ser simplesmente Maria, queria ter mais nomes próprios e apelidos, e muito mais. As histórias são ligadas por uma linha que, desde a capa á contracapa passa por todas as páginas do livro, faz nós e corrupios, brinca com as histórias e entra nelas.
 As ilustrações são de Cristina Malaquias.

 Os alunos do 3º ano da EB de Friestas deixaram considerações sobre os contos do Trinta por uma linha e realizaram alguns recontos.
 
São muito interessantes, organizados e dão-nos uma lição. Marisa Brito
São giros, engraçados e dizem muita coisa. O autor escreve muito bem. Ana Beatriz Serra
O autor António Torrado escreve textos pequenos, interessantes e perfeitos. Rodrigo Nunes
Os contos do Trinta por uma linha são bons para tirar lições e ajudam-nos a tirar lições. Ivo Brito
António Torrado é um autor muito interessante porque escreve contos bonitos e divertidos. Samuel Sousa
São contos engraçados que nos divertem e que nos fazem sorrir. Mateus Alves
Os contos são bonitos, interessantes, dizem muitas coisas e contam muitas histórias. Rodrigo Alves
O livro Trinta por uma linha ajuda-nos a ter uma boa leitura e a aprender coisas novas. Verónica


Bolacha Maria

Era uma vez uma bolacha Maria que disse que Maria só não chegava.
O que ela queria era que lhe dissessem o nome todo, dona Maria Emília de Melo e Sousa Trigo de Reboredo Farinha. As amigas não queriam saber e continuavam a chamar-lhe Maria Trigo Farinha mas ela ficava furiosa.
Um dia, os meninos comeram as bolachas todas do pacote e só ficou a bolacha Maria. Passado algum tempo, a bolacha amoleceu e quando os meninos foram novamente comer bolachas já não a quiseram, pois não estava boa. Então chamaram o Bobi e deram-lhe a bolacha que logo a comeu.
Esta história é pequenina e sabe a pouco?
Pois é. O Bobi também achou o mesmo.
Ivo Brito  3º ano, turma B
 
 
Vida de Sabonete
Era uma vez um sabonete novo, fresquíssimo e por estrear. Ele vivia numa drogaria junto a outros sabonetes, um deles perguntou para que servia, o outro sabonete disse que servia para lavar e perfumar, mas avisou-o que tudo o que é bom acaba.
Um dia, um menino comprou o sabonete, tomou banho e ele resvalava pela parede da banheira.
A certa altura, ele reparou que já só era uma migalha e lembrou-se do que o outro sabonete tinha dito.
Horas depois, um menino encontrou o sabonete em pequenas migalhas e disse que ia fazer uma "caldeirada".
Então, ele pegou num copo, pôs lá as migalhas e misturou com água, com uma cana soprou e fez bolas de sabão brilhantes, leves, felizes, grandes e pequenas.
Tudo o que é bom acaba mas às vezes acaba bem.
 Marisa Brito  3º ano, turma B
 



Sem comentários:

Enviar um comentário

Sonho de neve

Na biblioteca da EB de Friestas, com a sala do Pré-escolar, foi lida e explorada a obra: Sonho de neve de Eric Carle, Edição Kalandraka. ...