quinta-feira, 30 de abril de 2015

Dia da Mãe

Na E B de Valença, foi comemorado o dia da Mãe, a escola convidou todas as Mães a estarem presentes na escola para uma pequena homenagem a fim de reforçar laços afetivos.
Os filhos mimaram as suas mães cantando uma canção e ofereceram um coração com um poema escrito.

Seguiu-se a apresentação do grupo Tão Borileiros com a colaboração e ensaios da Alda Paula.





segunda-feira, 27 de abril de 2015

O Coelhinho e a Formiga Rabiga mais a cabra e a sua barriga

Mais uma história contada na BE de Valença para os alunos do Pré Escolar.“O Coelhinho e a Formiga Rabiga mais a Cabra e a sua barriga” de João Pedro Mésseder e Elsa Lé. Trata-se da história de um coelhinho que foi à horta apanhar cenouras e deixou a porta de casa aberta. Uma certa cabra entrou na casinha do coelhinho e fechou-se a sete chaves. Foram lá vários animais, uns grandes, como o elefante, outros fortes, como o leão e outros altos, como a girafa, e nenhum deles conseguiu convencer a cabra a sair de lá. 
As crianças adoraram, depois em contexto de sala de aula, recriaram o conto com lindos desenhos.








sábado, 25 de abril de 2015

O 25 de abril

Os alunos da EB de Friestas, em articulação com a biblioteca escolar, exploraram o significado do 25 de abril, leram e escreveram textos e poemas, cantaram canções de abril e realizaram bonitos cravos vermelhos, simbolizando esta data.




O 25 de abril de 1974

Antes do 25 de abril de 1974, o nosso país era uma ditadura ou seja, as pessoas não tinham liberdade de expressão, não podiam sair do país.
No dia 25 de abril de 1974 aconteceu a revolução dos cravos.
Nessa revolução, o pretendido era prender os políticos, para passar de uma ditadura para uma democracia. Tudo aconteceu em Lisboa, na capital do nosso país. Nesta revolução não houve guerra ou seja, não se verteu uma gota de sangue e não morreu ninguém. Com esta revolução, as pessoas passaram a ter liberdade de expressão, a poder sair do país e podiam decidir por votos quem seria o nosso presidente da república.
Todos os anos no 25 de abril é feriado e a maior parte das pessoas não vão trabalhar.
No ano passado, ano de 2014, no dia 25 de abril passaram 40 anos desde a revolução dos cravos. As pessoas dizem que o país está a ficar uma ditadura mas eu não sei porquê.

Samuel Sousa - 4.º ano - E B de Friestas




sexta-feira, 24 de abril de 2015

Ilustrações das histórias O jardim curioso e a Zebra Camila

Na sequência das obras exploradas na biblioteca escolar: O jardim curioso e a Zebra Camila, as crianças do Pré-escolar da EB de Friestas, em contexto de sala de aula, realizaram estes lindos trabalhos.






quinta-feira, 23 de abril de 2015

Contos Populares Portugueses

Contos Populares PortuguesesNas bibliotecas escolares, no âmbito da Educação Literária, com as turmas do 2.º ano, foram lidos e explorados alguns contos da obra: Contos Populares Portugueses de Adolfo Coelho.

No desenvolvimento da Expressão Escrita, os alunos recontaram A história da Carochinha e O príncipe com orelhas de burro.

A Carochinha e o João Ratão

Era uma vez uma linda Carochinha que passava os dias a limpar a casa.
Um dia enquanto varria, encontrou uma moeda:
Ai que felicidade com esta moedinha!
Já me posso casar!
Arranjou-se muito bem, com o seu vestido novo e as suas joias e foi para a janela para ver se encontrava marido.
- Quem quer casar com a Carochinha que é bonita e formosinha?
Passou o cão e respondeu:
- Quero eu, quero eu!
-Então mostra-me a tua voz. -disse a Carochinha.
O cão começou a ladrar e a carochinha ficou horrorizada com aquele barulho e não o quis para marido.
Mais tarde, a Carochinha voltou a insistir, mesmo desanimada:
- Quem quer casar com a Carochinha que é bonita e formosinha?
- Quero eu, quero eu! -respondeu alguém com uma voz muito fininha.
A Carochinha ficou surpreendida com aquela delicada voz e achou que este rato era o noivo ideal para ela.
A Carochinha e o João Ratão decidiram casar. Ela fez todos os preparativos para a festa, o vestido, os convites e até preparou o almoço.
No dia do casamento, a Carochinha esqueceu-se das suas luvas em casa e pediu ao noivo para as ir buscar.
Mal entrou em casa, o João Ratão deixou-se levar pelo delicioso cheiro da panela que estava ao lume.
Não resistiu, foi provar e acabou por cair lá dentro.
A Carochinha como estava preocupada com tanta demora foi ver o que se passava, aproximou-se da panela e ficou tão desesperada ao ver o seu marido dentro da panela que não parava de dizer:
- Aí meu rico João Ratão que morreu cozido e assado no caldeirão!

Rodrigo Viana- 2.º ano, turma C -EB de Valença

A Carochinha e o João Ratão

Um dia a Carochinha estava a varrer a cozinha e encontrou uma moeda. Foi comprar brincos, vestidos e pôs-se bonita.
Ela foi para a janela dizer:
- Quem quer casar com a Carochinha que é bonita e perfeitinha?
Apareceu o cão mas ela não gostou da sua voz e mandou-o embora.
Apareceu um rato com uma voz bonitinha, que agradou à Carochinha e aceitou casar com ele.
A Carochinha foi à igreja casar com o João Ratão.
 A Carochinha e o João Ratão foram para casa e ela pediu ao marido para ir vendo a comida.
O João Ratão meteu as mãos e os pés e caiu no caldeirão.
A Carochinha foi comer os feijões, viu o João Ratão na panela e ficou a chorar.

Rodrigo Torre e Tomás Sousa -2.º ano, turma D - EB de Valença




   O príncipe com orelhas de burro
Era uma vez um rei que vivia muito triste porque não tinha filhos.
O rei pediu a três fadas que o ajudassem. As fadas ajudaram o rei e quando o príncipe nasceu fadaram-no de formoso, virtuoso, entendido e com orelhas de burro. Além do rei, o barbeiro descobriu o segredo das orelhas de burro. O rei disse ao barbeiro que o matava se contasse o segredo a alguém.
Então, ele foi pedir um conselho ao padre que o aconselhou a fazer uma cova e que dissesse tantas vezes, quanto necessário, até ficar aliviado desse peso. Algum tempo depois nasceu um canavial no local da cova.
Os pastores que ali passavam com os rebanhos cortavam canas para fazerem gaitas que tocavam sempre:
- Príncipe com orelhas de burro.
O rei mandou chamar as fadas e estas, com a sua magia, fizeram desaparecer as orelhas de burro do príncipe e as gaitas nunca mais tocaram o mesmo.

Joana Domingues Soarez - 2.º ano, turma E - EB de Valença


O príncipe com orelhas de burro

Era um vez um rei que vivia muito triste porque não podia ter filhos e mandou chamar três fadas para fazerem com que a rainha lhe desse um filho.As fadas ajudaram-no e disseram-lhe que viriam assistir ao nascimento do príncipe.
No dia em que o príncipe nasceu, as três fadas voltaram ao castelo e fadaram o príncipe. Duas fadas pediram para que ele fosse entendido e o mais formoso do mundo, a terceira pediu que ele tivesse orelhas de burro.
Ele cresceu e cresceram-lhe as orelhas burro, até que o rei mandou-lhe fazer um barrete.
Chegou a idade de ele ir ao barbeiro e  o rei avisou que se contasse a alguém morreria.
Então, o barbeiro foi-se confessar e contou ao padre.
O padre disse-lhe que fizesse uma cova na terra e dissesse o segredo para dentro da cova até ficar aliviado desse peso, ele assim fez. Mais tarde nesse lugar nasceu um canavial.
Os pastores que ali passavam faziam gaitas com as canas. Ao tocarem, das gaitas saiam umas vozes que diziam:
-Príncipes com orelhas de burro!
Começou a notícia a espalhar-se na cidade, o rei mandou chamar as fadas e pediu-lhes que tirassem as orelhas de burro ao príncipe.
As fadas fizeram o que o rei pediu.
O rei e a rainha ficaram muito felizes e as gaitas que os pastores faziam deixaram de dizer príncipe com orelhas de burro.


André - 2º ano, turma A - EB de Friestas


Sonho de neve

Na biblioteca da EB de Friestas, com a sala do Pré-escolar, foi lida e explorada a obra: Sonho de neve de Eric Carle, Edição Kalandraka. ...