quarta-feira, 31 de outubro de 2012

A folhinha que gostava de histórias


Era uma vez uma linda folhinha de Outono, pequena e enroladinha, vestida de cor-de-laranja.
Vivia num bonito jardim na companhia das suas irmãs. Todos os dias via algumas delas serem arrancadas pelo malvado vento e tremia de medo só em pensar na sua vez. Junto do ramo onde vivia havia uma janela de onde conseguia ouvir lindas histórias que a mãe de uma menina contava para ela adormecer. Todos os dias a folhinha pedia ao malvado vento para não a arrancar. Mas um dia, ele zangou-se e levou-a pelo ar, cheia de medo fechou os pequenos olhos para não ver onde iria cair. Quando parou de voar reparou cheia de alegria que estava dentro do livro das histórias que tanto adorava ouvir.
Por ser tão diferente a menina gostou tanto dela que a colocou dentro da sua caixinha de música, de onde conseguia ouvir as histórias e ficar segura sem medo do terrível vento.

Ariana Rodrigues, 2º ano, Escola Básica Passos

O Ciclo do Pão

Num dia, uma professora chamada Tita entrou na sala com um tabuleiro cheio de plantas.
As plantas eram cereais: milho, centeio, trigo, arroz e aveia.
- Sabem meninos, vamos ver um moinho, uma moagem e a padaria da Ana - disse a professora.
Foram todos de autocarro ao moinho. O moleiro disse como se fazia a farinha.
Na moagem, os empregados ensinaram outra forma mais rápida de fazer farinha.
Por fim, foram à padaria com a água, em seguida deitamos um pouquinho de sal e por fim junta-se um pozinho mágico que se chama fermento e que faz o pão crescer, depois metemos o pão numa forma, esperamos o tempo preciso e tiramos com uma pá e está feito o pão.
Todos os meninos gostaram muito deste passeio e ficaram a saber o ciclo do pão.

Joana Salvador Fernandes 2º Ano Turma C

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Sessões da B.E.: Semana da Alimentação

No âmbito da Semana da Alimentação, na biblioteca escolar foram exploradas as obras: A sopa queima e o Ciclo do pão, procurando desenvolver competências relacionadas com a temática "Alimentação".
Os alunos realizaram dramatizações, visualizaram os cereais e as farinhas usadas na confeção do pão, bem como a massa de pão e o fermento. 
Aos alunos foi proposto a escrita de textos e ilustração relacionadas com as obras apresentadas. 






Olá! Eu sou o António e gosto muito de bibliotecas.
Querem saber um pouco mais sobre a BE?
                                                                                   
Venham daí!
O QUE PODEMOS FAZER NA BE.

. Ler
. Estudar
. Ver filmes
. Ouvir Música
. Fazer consultas na Internet
. Jogar



Mas atenção:
Na biblioteca há regras que é preciso respeitar e conhecimentos que
precisamos ter para uma boa utilização.


VAMOS APRENDER!

. Na Biblioteca deves estar em silêncio. Se precisares falar, fá-lo baixinho.
. Não podes comer ou beber.
. Não corras nem perturbes quem está a trabalhar.

. Quando consultares livros, estes deverão ser colocados em cima das mesas.
. Podes requisitar livros para ler em casa.
. Podes requisitar DVD, à 6ª feira, para veres em casa.
. Os livros devem ser devolvidos na semana seguinte à sua requisição.

. Lembra-te : O livro é um amigo, por isso trata-o bem.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Criar laços

O que será «criar laços»?




Será o vento a bater no mar

A tentar dar abraços?

Ou a fazer uma amizade que nunca vai acabar?


Um amigo a dar carinho

Do fundo do coração.

Uma andorinha a fazer o seu ninho

E ao seu filho dar pão.


Com amigos verdadeiros

A amizade não vai ter fim,

Umas rosas a dar cheiros

Vindas de um belo jardim!


Amigos são alegria

Servem para desabafar

Ora quem diria!

Os amigos são como o sol a brilhar!


Uma grande brincadeira

Com os amigos vai ser

Vamos fazer uma barulheira

Novos e maravilhosos amigos conhecer.


Quando alguém bate no meu amigo

Proteção lhe vou dar.

Assim ele fica comigo

E vai-me ajudar.


Se ninguém me cativar

Novos amigos não vou ter

Mas as pessoas vou apoiar

E espero que gostem do meu modo de ser


Sara Fardilhas, 4.º J, Escola Básica de Valença


A Maior Flor do Mundo, de José Saramago


 
A história trata da existência de uma árvore que cresceu à beira de um girassol. Quando a árvore é tirada por um humano, para seu proveito próprio, o girassol começa a secar.Um dia, um menino salta o muro da sua casa, rodeada por um deserto que futuramente irá ser uma urbanização, e corre atrás de um escaravelho. Encontra-o perto de uma floresta parcialmente distribuída. Ao atravessá-la, encontra um girassol no cimo de um monte, isolado pela falta do verde.
Este menino encontra a flor a morrer. Corre para o rio, no meio da floresta, e traz, na sua mão, água para alimentar a pequena flor. Este percurso é feito imensas vezes, até que a pequena flor ganha vida e começa a crescer desmesuradamente!
Ao fim de ir e voltar tantas vezes, o menino, exausto, acaba dormindo à beira da flor e esta, em forma de “agradecimento”, deixa cair uma pétala, que cobre o menino e lhe dá conforto.
Os pais do menino, quando não o veem em casa, vão à sua procura, até que o encontram à beira do antigo e pequeno girassol, que se transforma num enorme girassol.


Bruno Alves, 3.º ano, turma F

terça-feira, 23 de outubro de 2012

"Adoro Explorar Planetas"
Um dia uma menina chamada Marta foi num tapete mágico ao universo, lá chegou à lua, lá observou o planeta azul (a Terra) o nosso mundo, viu o Sol ardente e brilhante, (como costuma ser) .
Logo a seguir foi a Neptuno, lá estava o sonho que todos os meninos do mundo estariam sonhando nesse instante, era uma cidade de guloseimas: as ruas eram de chocolate, as camas eram de gelatina, as casas eram de bolo e os prédios de chocolate branco.
Logo de seguida foi a Saturno, era o planeta mais inteligente do Sistema Solar: as casas eram escolas, os prédios eram bibliotecas, e as ruas eram livros.
Depois foi a Úrano que era o planeta mais engraçado, as casas eram palhaços, os prédios eram estrelas e as ruas eram de água.
A seguir foi a Júpiter que era o planeta mais desarrumado de todos: as ruas estavam todas furadas, as casas eram meio sujas, os prédios eram lixo mas ele (Júpiter) era muito simpático.
Logo foi a Marte, lá era o mundo que toda a mulher queria ter: as ruas eram tapetes vermelhos, as casas eram tacões enormes e os prédios eram vestidos.
Depois foi a Mercúrio, lá as ruas eram jardins, as casas eram flores e os prédios eram borboletas.
Por último foi a Vénus, lá as ruas eram de salsa, as casas eram hambúrgueres e os prédios eram batatas. Eu adoro explorar planetas!
Ana Lago Saavedra
4º Ano Turma J

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Na biblioteca escolar, os alunos visualizaram e ouviram a história:
 " Os lápis de cor". Os alunos do 2º ano elaboraram o reconto desta linda história.
 
Os lápis de cor
 
O padrinho da Rosa deu-lhe uma caixa de lápis de cor. A menina ia fazer um desenho, mas decidiu ir passear primeiro. Os lápis ficaram sózinhos e começaram a discutir. O azul foi o primeiro a dizer que era o mais importante, pois era da cor do céu e do mar.
O verde dizia ser o mais importante, pois era da cor das árvores e da melancia.
O amarelo dizia ser o mais importante por ser da cor do sol.
Então o lápis preto disse para se meterem na caixa e quando a Rosa chegasse, o primeiro lápis que tirasse da caixa seria esse o mais importante.
A menina tirou todos os lápis de cor e com todos pintou o arco-íris.

Texto coletivo 2º ano  Turma D

Os lápis de cor
 
Uma menina recebeu uma caixa de lápis que o padrinho lhe deu. Como não lhe apetecia pintar foi dar um passeio.
Então os lápis começaram a discutir.
O azul disse que era o mais inteligente porque era a cor do céu e do mar, mas o verde disse que era ele porque era a cor da melancia, das árvores e da relva.
O lápis  amarelo disse:
- Não, não, eu é que sou o mais importante porque sou a cor do sol.
Entretanto chegou o lápis preto e  disse:
-Vamos parar com esta discussão, quando chegar a nossa dona, o lápis que ela pegar primeiro será o mais importante.
Quando  ela chegou, pegou em todos os lápis e fez um lindo arco-íris.
Finalmente chegaram à conclusão que todos os lápis eram importantes.
 
Cristiano Araújo Domingues 2º Ano Turma C

quarta-feira, 3 de outubro de 2012


 
Os padrinhos e os afilhados
Com a chegada do novo ano letivo, recomeçaram as atividades nas bibliotecas escolares.
Assim, nas bibliotecas das EB1 de Valença e Friestas decorreu a atividade: "Padrinhos e Afilhados" com os alunos do 4º ano a apadrinhar os seus colegas do 1º ano.
A atividade pretende que cada um dos alunos  que vai iniciar a sua escolaridade tenha como padrinho/ madrinha um dos alunos mais velhos, tendo como objetivo estabelecer relações de amizade para uma maior socialização e interiorização de regras que ajudem a um bom ambiente escolar.
Durante estas sessões nas bibliotecas escolares, os alunos ficaram a conhecerem-se reciprocamente. Os padrinhos/madrinhas dedicaram aos seus afilhados/afilhadas poesias retiradas do  livro Eu vou para a escola de José Jorge Letria e comprometeram-se a acompanhar e apoiar os seus colegas mais pequenos.


 

Sonho de neve

Na biblioteca da EB de Friestas, com a sala do Pré-escolar, foi lida e explorada a obra: Sonho de neve de Eric Carle, Edição Kalandraka. ...