quinta-feira, 30 de maio de 2013

Leitura e escrita de poesia



Na BE falamos sobre poesia, vimos e analisamos os vários tipos de rimas.
Os alunos leram  poemas de autores portugueses como motivação para a escrita.
 Assim surgiram lindos e engraçados poemas.

D.Afonso Henriques

D. Afonso Henriques
Um grande conquistador
Lutou contra a sua mãe
De Portugal foi fundador.

D. Afonso Henriques
Foi criado por Egas Moniz
Lutou contra os Mouros
Até às terras de Avis.

A independência de Portugal
Feita com o Tratado de Zamora
O Papa para assinar
Teve uma grande demora.

À frente de muitas batalhas
Demosntrou ser um gerreiro
Quando deixou o trono
Foi rei D.Sancho primeiro.





João  4º ano, turma J - E. B. de Valença


Direitos da Criança

As crianças têm direito
A muito brincar
O que não devem fazer
É trabalhar.

Às crianças devemos dar
Cuidados especiais
Aos que têm deficiência
Para ficarem normais.

As crianças mereçem
Ter muito aconchego
Com pai e mãe ao lado
Ficam em sossego.

As crianças necessitam
De carinho, amigos e amor
Sejam de que raça forem
Nunca delas se deve ter horror.

Com as crianças devemos
Ser responsáveis
As alimentações delas
Têm de ser saudáveis.

Lara Marques -4º Ano, Turma J - E. B. de Valença

A escola

Eu gosto da  minha escola
Porque gosto de aprender
Para os trabalhos manuais uso a cola
E o lápis para escrever.

Eu adoro Língua Portuguesa
Estudo do Meio e Matemática
Mas só quando é ensinado
Pela Professora Fátima

Professora Fátima
Muitas saudades vou sentir
Para o ano vai ser uma seca
Que já nem me apetece vir.

Sara - 3º Ano, Turma F - E. B. de Valença


Abel

Eu sou o Abel

Tenho um amigo
Chama-se Miguel
E vive sempre comigo.

Eu sou o Abel
Gosto de papel
Do meu amigo Gabriel
E da amiga Isabel.

Eu sou o Abel

Tenho um lindo chapéu
Cheio de mel
E sou muito fiel.

Abel Gomes - 3º ano, turma A - E. B. de Friestas

Aniversário




O dia da criança é um dia especial
Faço anos e é mundial.
Faço anos no dia da criança
É importante e genial
Ganho prendas e é especial.
O meu aniversário é na primavera
Conheci uma menina chamada Vera.

 Matheus Oliveira - 4º ano,  turma I - E. B. de Valença


 A minha professora

O sorriso da minha professora
É uma simpatia
Tem ternura, tem calor
E muita magia.

 O sorriso dela faz amigos
É um sorriso de carinho
É uma ponte de amizade
E constrói o nosso caminho.


A professora é bonita
Dá-me sempre carinho
É bonita como uma tulipa
E nunca me deixa sozinho.
Fábio Gonçalves - 4º ano, turma H - E. B. de Valença

 









terça-feira, 28 de maio de 2013

Da semente à planta

Na Biblioteca Escolar, com as crianças do Pré-escolar, foi explorada a obra: Mariana e a missão Primavera de Sylvie Auzary-Luton, articulando esta atividade com o Projeto: Dar vida à vida da horta pedagógica.
As crianças foram convidadas a registar em banda desenhada as fases da semente à planta e as ferramentas agrícolas usadas. Estas realizaram a  tarefa,  já vivenciada na horta e agora recordada na história, com alguma facilidade e sentido estético.

Aqui ficam algumas bandas desenhadas elaboradas nas salas do Pré- escolar de Valença.
 

 




quinta-feira, 23 de maio de 2013

História de Portugal


Numa sessão da Biblioteca Escolar foi apresentada aos alunos do 4º ano a obra, em formato digital, Era uma vez um rei... D. Afonso Henriques - o conquistador, disponibilizada pelo Instituto Camões. Esta coleção visa sensibilizar os alunos para a importância da História de Portugal e despertar-lhes o entusiasmo e a vontade de aprender sobre o passado do nosso país.
No âmbito do apoio ao currículo, os alunos ouviram com muito agrado a história do nosso 1º rei e elaboraram textos recordando e aplicando conhecimentos.

 

Era uma vez um rei… D. Afonso Henriques
Era uma vez um rei que antes de ser rei foi apenas menino, mesmo sendo filho de um conde poderoso que tinha para ele grandes sonhos e projetos.
Esse menino chamava-se Afonso. Aos 3 anos o seu pai morreu e um senhor chamado Egas Moniz encarregou-se de lhe dar educação.
Afonso Henriques aos 14 anos de idade, em 1125 armou-se cavaleiro, na catedral de Zamora.
Ele não tinha medo de nada, queria alargar o território mas sua mãe D. Teresa queria juntar Galiza com Portugal.
Como estava zangado decidiu combater contra sua mãe na batalha de São Mamede.
Desde esse dia decidiu conquistar novas terras fazendo batalhas, onde sempre vencia.
Algumas das terras que conquistou foram: Santarém, Lisboa, Sintra, Almada, Palmela,...
Quando ele faleceu seu filho Sancho I decidiu continuar o seu caminho conquistando definitivamente o Algarve.
Um dia apagou-se a luz
nos olhos do rei fundador,
adeus Afonso Henriques
é Sancho o conquistador.
 
Gabriela e Beatriz Rodrigues - 4º ano, turma H - E. B. de Valença

 
Era uma vez um rei… D. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques era filho de D. Henrique e de D. Teresa. Estes casaram-se porque D. Afonso VI assim o quis, D. Henrique ajudou D. Afonso VI a conquistar vários Reinos: Reino de Castela, Reino de Leão... Desse casamento nasceu D. Afonso Henriques.
Quando tinha 3 anos D. Henrique era valente e corajoso, brincava às lutas e desejava ser cavaleiro, trepava às árvores e construía castelos. Ele era aventureiro.
Quem cuidava dele era o aio Egas Moniz. Este educou-o e deu-lhe uma espada de madeira.
Quando tinha 13 anos armou-se cavaleiro.
Cresceu e combateu contra as tropas da sua mãe, ganhou batalhas e foi derrotando os Mouros. Conquistou várias terras: Santarém, Sintra, Leiria, Lisboa, Beja... e em cada uma delas colocou um castelo.
Depois das batalhas ele tinha pesadelos.
Em 1143 foi assinado o tratado de Zamora em que Portugal foi considerado um reino independente e D. Afonso Henriques tornou-se o primeiro rei. Só muito mais tarde o Papa Alexandre III assinou a bula, documento oficial onde reconhecia a independência de Portugal.

 Miguel e Matheus - 4º ano, Turma I - E. B. de Valença
 
 
D. Afonso Henriques
  D. Afonso Henriques, também conhecido por D. Afonso I de Portugal, nasceu a 25 de Julho de 1109 em Guimarães. Foi o fundador do Reino de Portugal em 1143. Era filho de D. Henrique de Borgonha e de D.Teresa de Leão, condes de Portucale.
Aos 3 anos de idade, o seu pai D. Henrique de Borgonha faleceu. Afonso tomou uma posição política oposta à de sua mãe, após a morte do pai. Aos 14 anos de idade, D. Afonso Henriques armou-se cavaleiro e após vencer sua mãe na batalha de S. Mamede em 1128, assumiu o governo . Em 1139, depois da vitória na batalha de Ourique contra os mouros, D. Afonso Henriques tornou-se rei de Portugal com o apoio das suas tropas. Conquistou várias terras como por exemplo: Santarém, Lisboa, Sintra, Almada, Palmela, Évora, Beja....Cada vez que conquistava uma terra, ordenava que construissem um castelo.
Conquistou todas as terras menos o Algarve, mais tarde conquistada pelo seu filho D. Sancho I.
 D.Afonso Henriques faleceu a 6 de Dezembro de 1185, deixando ao seu filho D.Sancho I um território perfeitamente definido e independente.
 
Gabriel Fernandes -  4ºano, Turma J - E. B. de Valença



segunda-feira, 13 de maio de 2013

João e a floresta de betão

 
Na Biblioteca Escolar foi lida e explorada a obra: João e a floresta de betão de Rui Reisinho.
Tal como na história, apareceram as sementes mágicas que fazem as flores crescer e transformar as cidades em locais mais agradáveis para viver.
Os alunos ficaram a saber muito bem a história como se pode ver pelos textos que escreveram.
 

João e a floresta de betão
 
Era uma vez um menino chamado João que vivia numa cidade de betão, era toda cinzenta, até o céu parecia de cimento.
No quarto, o João estava a olhar para a parede cheia de bolinhas coloridas e disse:
- Mamã o que é aquilo que está na minha parede?
- São flores João.
- Mas então as flores existem de verdade?
- Sim, mas muito longe da cidade.
A mãe ficou admirada por o João não saber o que eram flores e disse:
- No dia seguinte vamos todos ao campo para tu poderes ver a natureza.
Quando chegaram, o João ficou de boca aberta, nunca tinha visto tanta cor na vida dele.
Foi logo brincar mas quando chegou a hora de ir embora o João ficou muito triste, um velhinho que estava no campo disse:
- O que se passa?
-Tenho de ir embora para casa onde tudo é cinzento.
O velhinho com tanta pena disse:
-À noite deita este saco com sementes pela janela e amanhã terás razões pra sorrir.
Então à noite, o João deitou o saco de sementes.
De manhã o João abriu a janela e o que viu foi tão bonito! - estava tudo coberto de flores.
As pessoas queriam saber quem era o responsável e acabaram por descobrir que foi um rapaz chamado João.
A partir desse dia todos viveram com cor e alegria.
 
Texto  Lara Diana    Turma C, 2º Ano - E. B. de Valença
 
 
 

Ilustrações: Daniela e Débora Pré-escolar de Friestas
 
 João e a floresta de betão

O João era um menino que morava numa cidade de betão, na parede do seu quarto tinha uma coisa estranha, não sabia o que era e perguntou à mãe.
Ela respondeu:
-São flores, só há longe da cidade, quando poder levo-te lá.
No fim de semana seguinte, mal o sol saiu, a mãe do João levou-o a passear, chegaram ao campo e a mãe disse:
-Então João vai brincar!
O João saltou e pulou mas na hora de ir embora começou a chorar. Um velhinho de lá perto perguntou o que se estava a passar. A beleza era tanta porque é que ele estava a chorar.
O menino disse:
-Tenho de ir para casa, e lá é tudo tão cinzento!
O senhor deu-lhe umas sementes mágicas.
No carro ele estava curioso.
-Será que a magia irá funcionar!
Naquela noite antes de dormir, o João abriu o saquinho e deixou as sementes cair. O João mal podia adormecer, estava tão ansioso pelo amanhecer.
De manhã estava tudo colorido, havia flores por todo o lado e todos os habitantes queriam agradecer a quem fez aquilo. Perguntaram e perguntaram e chegaram à conclusão que tinha sido o João.
Toda a gente agradeceu ao João e todas as pessoas trataram daquele maravilhoso jardim.

 
 Texto:  Armando   Turma B, 3º Ano - E. B. de Friestas
 
Ilustrações: Carlota Domingues e Bianca 1º ano E. B. de Valença

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Visitas à quinta pedagógica de Pentieiros, ao museu regional e ao C.E.I.A. de Paredes de Coura


A quinta pedagógica de Pentieiros em Ponte de Lima mostra ao público mais jovem, o dia-a-dia da vida rural, permitindo uma aproximação direta com as vivências diárias de uma exploração agrícola minhota.
Os alunos do 1º, 2ºe 3º anos da E. B. de Valença realizaram visitas guiadas à quinta pedagógica. Viram as hortas, o pomar, os comedouros, a estufa, os estábulos e as cavalariças onde havia vacas, ovelhas, cabras e cavalos. No campo dos aromas viram e sentiram as plantas aromáticas, condimentares e medicinais. No galinheiro observaram a galinha amarela, a perdiz portuguesa e a preta lusitana e ainda os pavões e os gansos. Conheceram os burros Simão e Elétrico. Na aldeia das aves viram as casinhas para os passarinhos. Passaram pelo lago e pela casa do apicultor. Os alunos conheceram e disfrutaram de todos os espaços da quinta e gostaram especialmente de apreciar mais de perto os animais. No final da visita realizaram os seus piqueniques no parque das merendas, brincaram, conviveram e voltaram à escola com mais conhecimentos. Foram uns dias muito bem passados!
 

 
 
 
 As turmas do 4º ano visitaram o museu regional de Paredes de Coura e o Centro de Educação  e Interpretação Ambiental da Paisagem Protegida do Corno de Bico. No museu, os alunos viram as fases do linho, os utensílios  agrícolas, a parte arqueológica e a casa do caseiro. Fizeram biscoitos de milho que viram cozer no forno de lenha.  Posteriormente deslocaram-se para o C.E.I.A. onde almoçaram, aqui viram um filme sobre a fauna e a flora da região, observaram rochas através da lupa binocular, fizeram um percurso pedestre pelo Corno de Bico onde observaram as mamoas e pararam num esconderijo para sentir o coaxar das rãs e outros sons da natureza.
Foi uma visita de estudo enriquecedora que os alunos irão certamente recordar!
 

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Dia da mãe


Um Livro sobre a minha MãeNas Bibliotecas Escolares foi lida e explorada a obra: Um livro sobre a minha mãe de Ana Faria. Uma obra com uma dedicatória muito clara, numa homenagem singela a todas as mães. As ilustrações delicadas e sensíveis de Ana Faria revelam-se aqui em todo o seu esplendor.
As crianças do Pré-escolar ouviram a história podendo identificar-se com  algumas descrições em situações do dia-a-dia. No final e partindo da frase: quando for grande quero ser como a minha mãe, as meninas tinham ao seu dispor vários adereços que se identificavam com as mães: sapatos, lenços, colares, pulseiras, malas, óculos, chapéus… que puderam colocar e fazer de conta que eram mães. Todas aderiram com entusiasmo, foram momentos muito divertidos e ficaram umas verdadeiras mães como se pode ver pelas fotos.





 

Sonho de neve

Na biblioteca da EB de Friestas, com a sala do Pré-escolar, foi lida e explorada a obra: Sonho de neve de Eric Carle, Edição Kalandraka. ...