terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Roteiro de Leitura Orientada - O Beijo da Palavrinha

Resultado de imagem para capa do livro o beijo da palavrinhaNo âmbito da Educação Literária, para as turmas do 4.º ano, foi elaborado um guião de leitura orientada relativo à obra O Beijo da Palavrinha.Na Pré-leitura foi desenvolvida a atividade Pedaços de livros. Foi distribuído a cada aluno um excerto da obra que todos leram para os colegas. Após uma troca de opiniões, os alunos preencheram uma tabela onde escreviam o que pensavam relativamente às personagens da obra, ao espaço e às ações/acontecimentos.
Durante a leitura, os alunos leram a obra a pares e realizaram a atividade Organizadores Gráficos em que tinham de organizar a informação mais importante num quadro de acordo com a Situação inicial as Complicações e as Soluções.
Posteriormente, os alunos foram convidados a escrever as 10 palavras mais significativas relacionadas com a leitura da obra e de seguida a escreverem o resumo da obra utilizando as palavras escolhidas.
Depois da leitura, foi proposto aos alunos, a pares, a atividade Caderneta literária em que relativamente às personagens atribuíam uma caraterística, uma nota (de 0 a 5) e um comentário.

O Beijo  da Palavrinha
Palavras escolhidas

pobres                       adoeceu               mar             viagem              rocha
interior                      gravemente        aldeia           gaivota             morte




Era uma vez uma menina chamada Maria Poeirinha. Ela e a sua família viviam numa aldeia interior e eram pobres. Maria Poeirinha até tinha alguns sonhos.
Poeirinha tinha um irmão, o Zeca Zonzo que não tinha juízo nenhum.
Um dia chegou à aldeia o tio Jaime Litorânio, ele achou grave que a família nunca tivesse visto o mar.
Certa vez, Maria Poeirinha adoeceu gravemente, estava vizinha da morte. O tio Jaime pensou que tinham de levá-la à costa para ela ficar melhor.
A menina estava tão fraca que a viagem se tornou impossível. Aproximaram-se todos do leito e ficaram sem saber o que fazer e o que dizer.
Então o Zeca Zonzo foi buscar uma caneta e um papel e desenhou a palavra mar para mostrar à sua irmã doente.
Chegou ao pé de Maria Poeirinha e guiou os dedos da menina sobre a palavra mar. Contornou a letra "m" que era feita de vagas e por ondas, depois passou a letra "a" e fazia uma gaivota. De seguida, veio a letra "r" e fazia uma linda rocha.
Assim, Maria Poeirinha ficou com uma ideia do que era o mar e guardou-a na sua cabeça.
Os familiares, muito tristes, souberam que Maria Poeirinha foi beijada pelo mar e o irmão recordava-a na fotografia.
Leonor Santos - EB de Friestas

O Beijo  da Palavrinha

Palavras escolhidas

mar                  sonhos                desenhou                morte             adoeceu     
  gaivota           rochas                   ondas                impossível            pobre


 

Era uma vez uma família muito pobre que vivia numa aldeia muito interior. Passava por lá um rio que eles diziam que não tinha fim.
Poeirinha tinha sorte por ter um irmão chamado Zeca Zonzo.
Poeirinha tinha sonhos pequenos mas depressa saia deles porque os seus pés escaldavam na areia quente.
Certo dia chegou à aldeia o tio Jaime Litorânio que ficou espantado por os seus familiares nunca terem visto o mar, mas a fome, a solidão, as brincadeiras palermas do Zeca Zonzo, tudo isso, o tio atribuía a uma carência que era a falta de maresia.
O tio dizia à família que quem nunca tinha visto o mar não sabia o que era chorar.
Certo dia, a menina adoeceu gravemente e rapidamente ficou vizinha da morte, o tio Jaime dizia que a única solução para a curar era levá-la ao mar, o tio dizia para meterem a menina no barco porque a corrente a levava.
A menina estava tão fraca que a viagem tinha-se tornado impossível, mas rapidamente o seu irmão teve uma ideia genial. Pegou num papel, num lápis e numa folha e desenhou apenas a palavra mar e foi mostrar-lhe para ver se a irmã conseguia ler.
Poeirinha disse que a primeira letra era a letra "m" que era parecida com as ondas do mar, a seguir era a letra "a" que era muito parecida com uma gaivota, dizia Poeirinha numa voz muito fraca e por fim foi a letra "r" que se parecia com rochas, dizia ela. Mas nesse mesmo momento, Maria Poeirinha foi beijada pelo mar e afogou-se numa palavrinha.
O irmão passou a olhar para a fotografia para se lembrar de Poeirinha, a sua irmã.

Mateus Fernandes EB de Friestas

Papá Siriruía pelas escolas do 1.º ciclo

Márcia Fernandes continuou a apresentar a sua obra: Papá Siriruía por outras Escolas do Agrupamento. Desta vez realizou uma sessão na EB de Ganfei, outra na EB de Valença para as turmas do 4.º ano e duas sessões na EB de Passos.
Os alunos ouviram a história e foi com interesse que partilharam alguns momentos de proximidade com a jovem autora colocando todas as suas curiosidades.
As crianças desenvolveram a sua cultura artística ao terem a possibilidade de usarem os elementos da natureza fornecidos (caules, folhas, pequenos ramos, flores e botões) e assim criarem imagens inspiradas nas ilustrações que observaram.
Aqui ficam as algumas das lindas criações realizadas.
Mais uma vez agradecemos à Márcia todo o empenho e dedicação que colocou nas suas sessões e pelo contributo dado no desenvolvimento da Educação Literária e Artística dos nossos alunos.













Sonho de neve

Na biblioteca da EB de Friestas, com a sala do Pré-escolar, foi lida e explorada a obra: Sonho de neve de Eric Carle, Edição Kalandraka. ...