sexta-feira, 13 de março de 2015

O peixinho que descobriu o mar

 
No âmbito da Educação Literária, na biblioteca escolar, com as turmas do 2.º ano foi lido e explorado o conto O peixinho que descobriu o mar da obra Estranhões e Bizarrocos de José Eduardo  Agualusa. A nível de sala de aula, os alunos fizeram o reconto desta linda história por escrito. Aqui podemos ler alguns desses textos.
















O peixinho que descobriu o mar

Era uma vez um peixinho que se chamava Cristóbal. Ele vivia num aquário com trinta e sete irmãos, tios ou parentes próximos. No aquário havia uma velha tartaruga chamada Alice.Os peixes maiores contavam histórias aos mais pequenos. Os outros peixes falavam tanto no mar que Cristóbal queria sair do aquário.Uma bela manhã quando todos dormiam Cristóbal encheu-se de coragem, tomou balanço e ficou estendido no chão de madeira. De repente viu que não conseguia respirar, entretanto viu uma gata chamada Verónica e disse.- Não me comas! - quero ver o mar.A gata Verónica ao ouvir aquilo teve pena  do peixe e pôs-o o na sua boca cuidadosamente, pegou numa tigela com água e colocou-o dentro.A seguir foi procurar o seu amigo pássaro Nicolau.
Quando encontrou o Nicolau disse-lhe para levar o Cristóbal para o mar, mas o pássaro tirava os peixes do mar para comer e não estava convencido.
Quando a gata apresentou o peixinho, Nicolau já percebeu e gostou logo dele. Então foram a voar. Quando chegaram ao mar, Nicolau abriu a boca e o peixinho caiu para o mar. Desde essa data, a gata só comeu vegetais. 

Martim 2.º ano E B de Friestas

 O peixinho que descobriu o mar

Cristóbal era um peixinho que nasceu num aquário com muitos peixes e uma tartaruga velha.
Um dia, Cristóbal ouviu os peixes mais velhos a falar que muito longe dali havia muita água, que um peixe podia nadar a vida inteira sem bater num vidro e que essa imensa água se chamava mar.
Cristóbal ficou com a vontade de descobrir o mar. Um dia, encheu-se de coragem e saltou para fora do aquário.
Então Cristóbal percebeu que o mundo não terminava no aquário e que o resto do mundo era muito seco e não conseguia respirar.
Cristóbal, entretanto viu uma gata muito bonita que se chamava Verónica e ficou com medo que ela o comesse.
Essa era a vontade da gata mas ouvindo a história do Cristóbal, resolveu ajudá-lo. Agarrou-o com a boca cuidadosamente e colocou-o numa tigela com água.
A gata Verónica nunca tinha conhecido ninguém tão corajoso como Cristóbal. Por isso decidiu ajudá-lo. Levou-o na boca até junto do seu amigo Nicolau, um pássaro grande e convenceu-o a levar o Cristóbal até ao mar.
Nicolau levou-o e deixou-o lá. A partir daí Verónica nunca mais comeu peixes, só vegetais.

André Filipe Vieira  2.º ano - turma D - E B de Valença


O peixinho que descobriu o mar

Cristóbal nasceu num aquário. O mundo dele resumia-se a um pouco de água entre quatro paredes de vidro. Isso, alguma areia, algas, pedras de diversos tamanhos, a miniatura de uma caravela naufragada. Ah! E trinta e sete outros peixinhos, quase todos irmãos de Cristóbal, ou primos, ou tios, ou parentes próximos. Havia ainda uma velha tartaruga chamada Alice, que já vivia no aquário quando os avós de Cristóbal nasceram.
Os peixes acreditavam que Alice vivia no aquário desde a criação do universo e ela deixava que eles acreditassem nisso.
Às vezes, os peixes mais velhos contavam histórias que tinham escutado aos seus avós.
Diziam que, para além das paredes do aquário, longe dali, muito longe dali, havia água tanta água que um peixe podia passar a vida inteira a nadar sempre em linha reta, sem nunca bater de encontro a um vidro. A essa água imensa, onde tinham nascido os primeiros peixes, chamava-se mar.

Texto coletivo, 2.º ano - turma C - E B de Valença


O peixinho que descobriu o mar

Era uma vez um peixinho que se chamava Cristóbal e vivia num aquário com mais peixinhos que eram seus parentes próximos.
No aquário também vivia uma tartaruga muito velhinha chamada Alice.
Os peixinhos mais velhos contavam muitas histórias que tinham escutado dos seus avós e falavam do mar com muita água, onde se podia nadar em linha reta sem bater no vidro.
Com tanto ouvir falar do mar, Cristóbal queria muito ir procurar o mar.
Uma manhã, bem cedo, saltou do aquário e descobriu que o outro mundo que ele tanto procurava era muito seco.
Quando saltou do aquário, Cristóbal caiu no chão e apareceu uma gata que o queria comer. Cristóbal pediu-lhe que não o comesse e contou-lhe a sua história, que queria muito ver o mar. A gata que se chamava Verónica, com pena dele, agarrou-o com a boca e sem o magoar colocou-o numa tigela com água. A gata Verónica disse-lhe que o ajudava porque não conhecia ninguém tão corajoso como ele e pediu ao seu amigo pássaro Nicolau  para o levar até ao mar.
Quando Cristóbal chegou ao mar ficou muito admirado pela sua extensão e pela sua água azul. Gostou de ver as ondas a baterem nas rochas e encontrou novos amigos. Ficou feliz por descobrir que afinal o mar não era um sonho nem uma história dos peixes mais velhos.
Quando viu as diferentes espécies de peixes com várias cores e tamanhos, assim como as algas e estrelas do mar, ficou muito feliz e desatou a nadar sem fim mas com muitas saudades dos antigos amigos.


 Caetana Gomes e Inês Correia 2.º ano - turma E - E B de Valença
















Sem comentários:

Enviar um comentário

Sonho de neve

Na biblioteca da EB de Friestas, com a sala do Pré-escolar, foi lida e explorada a obra: Sonho de neve de Eric Carle, Edição Kalandraka. ...