sexta-feira, 24 de março de 2017

Roteiro de Leitura Orientada - A Maior Flor do Mundo

Resultado de imagem para capa do livro a maior flor do mundo

No âmbito da Educação Literária, num trabalho articulado entre a biblioteca e a sala de aula,  com as turmas do 4.º ano, foi elaborado e aplicado um Roteiro de Leitura Orientada relativo à obra: A Maior Flor do Mundo.
Foram várias e diversificadas as atividades realizadas, quer de Pré- leitura, Durante a Leitura e Após a Leitura.
Aqui ficam publicados algumas das tarefas propostas e que os alunos realizaram.


Pré-Leitura
Pistas de imagens/legendas
Trabalho em Plenário
A professora bibliotecária, apresenta à turma, cinco ilustrações da obra e cinco legendas relativas às ilustrações e convida os alunos a colocar cada legenda junto da respetiva ilustração.
De seguida, os alunos terão que ordenar as ilustrações já legendadas por sequência dos acontecimentos.  
  
 


Depois da Leitura
Escrita recontada
Trabalho individual e conjunto
O escritor José Saramago termina a sua obra dizendo: "Quem sabe se um dia virei a ler esta história, escrita por ti que me lês, mas muito mais bonita?..."
Então, partindo da citação de José Saramago, é proposto aos alunos escrever essa bonita história.

Ilustrações criativas
Trabalho individual e conjunto
Cada aluno colocar-se-á no papel de ilustrador e criará uma nova ilustração para a capa do livro: A Maior Flor do Mundo.
Por fim será elaborada, pela turma, uma ilustração em tamanho grande, utilizando diversos materiais, a fim de ser exposta na escola, durante a Semana da Leitura.



A Maior Flor do Mundo

Numa manhã primaveril, com um sorriso no rosto, o menino, para brincar, saiu pelas traseiras da casa. Era simpático, livre e brincava como um passarinho, sem receio.
Um dia, avançou o muro do seu quintal e desceu até um pequeno rio de águas límpidas. Nunca o tinha atravessado. Ficou indeciso, não sabia se devia ou não atravessar, mas foi.
Caminhou e correu, até que chegou a um terreno sem árvores, era um terreno descuidado. Havia uma colina que parecia uma tigela voltada. Subiu-a com bastante dificuldade e o que encontrou lá? Nada. Só uma flor murcha. Estava tão, tão seca que o menino a quis salvar. Mas onde havia água? Lá, não chovia, o rio estava muito longe. Não faz mal.
Percorreu aquele caminho mil e uma vezes, e quando chegava, como transportava a água na concha das mãos, só restavam três minúsculas gotas.
A flor foi crescendo, cada vez mais, até parecer uma grande árvore. O menino adormeceu debaixo dela e, como por magia, uma colorida e perfumada pétala caiu sobre o menino, aconchegando-o.
Os pais, preocupados, saíram à procura dele. Ergueram o olhar e viram uma enorme flor. Seguiram-na. Subiram a colina e encontraram o seu filho adormecido.
Levaram-no para casa e quando passava pelas ruas da aldeia, as pessoas diziam que ele tinha feito uma coisa muito maior do que todos os tamanhos.

Leonor Saraiva-E B de Friestas - 4.º ano


A Maior Flor do Mundo

   Numa bela tarde de primavera, os pássaros cantavam suavemente e o sol brilhava muito quando um menino saiu de casa e foi para o muro de pedra do quintal. Como tinha muita vontade de explorar tudo á sua volta, saltou o muro. Do outro lado havia um belo rio de águas límpidas e cristalinas e disse para si, vou ou não vou. Atravessou-o e viu uma grande floresta de árvores enormes e arbustos verdes.
 Andou, até chegar a uma colina de mato muito denso. 
No cume estava plantada uma flor murcha, que precisava muito de água.
O menino foi buscar água ao rio mas teve de passar a floresta toda. Transportava a água na concha das mãos e só chegava á flor três gotas de cada vez. Mil vezes para lá e para cá, o sangue escorria-lhe pelos pés descalços.
A flor foi crescendo e quando  o menino se cansou, deitou-se no chão e adormeceu. A flor deixou cair uma pétala colorida e brilhante por cima dele para o aquecer.
 Lá na aldeia, os pais, os vizinhos e os amigos estavam muito preocupados e decidiram ir procurá-lo. Fizeram o percurso inicial do menino e encontraram-no deitado no chão, coberto por uma pétala duma flor que ninguém se lembrava que existia. Este menino foi levado para casa com todo o respeito e todos diziam que ele tinha feito uma coisa incrível e maior do que o seu tamanho.
Martim Serra - E B de Friestas - 4.º ano





A Maior Flor do Mundo
Era uma vez um senhor chamado José Saramago que não sabia escrever histórias para crianças porque não sabia escrever com palavras simples.
Havia um menino que vivia no campo, junto dos seus pais, a casa era pequena e não havia muito espaço.
O menino andava a brincar com um pintassilgo no jardim, o pintassilgo fugiu e o menino foi atrás dele. Ele subiu umas escadas e descobriu um caminho por onde nunca tinha passado. Foi caminhando entre arbustos e encontrou um rio mas não sabia como atravessá-lo, por isso decidiu saltar e conseguiu.
O menino foi andando e encontrou uma grande montanha que escalou sem parar e viu que estava lá uma bonita flor mas murcha. O menino ficou muito triste pela flor mas lembrou-se do rio que tinha visto antes e foi lá buscar água, com as suas mãos, para a flor. Cada vez que ele levava água à flor, ela ia crescendo, cada vez mais.  De cansado, o menino adormeceu debaixo da flor. Para o menino não ter frio, a flor deixou cair uma pétala para o tapar.
Os pais, preocupados, foram procurar o menino e encontraram-no a dormir na erva.
Eles ficaram espantados com a flor, por ser tão grande. Felizes voltaram para a aldeia, para junto dos habitantes e todos diziam que ele tinha feito uma coisa maior que o seu tamanho.

Beatriz Carolino - E B de Valença - 4.º ano, turma G


A Maior Flor do Mundo
Num dia de sol, um menino estava a brincar sozinho. A certa altura, reparou que à frente dele estava um rio que separava a sua bela terra de uma floresta rodeada de raios solares. O menino estava indeciso e só perguntava a si mesmo se ia ou não.
Até que decidiu arriscar, percorrendo trilhos, até um sítio que desconhecia. Depois de algum tempo a explorar o local, ele encontrou uma flor murcha quase a morrer. Pensando bem no que iria fazer, ele decidiu ir buscar água ao rio, no concavo das mãos. Quando chegou, ele repartiu a água por toda a parte da planta, deixando-a assim muito grande e bonita.
O menino cansado deitou-se à beira da flor e ela agradecida deixou cair uma pétala perfumada.
Já estava noite quando os pais preocupados foram à procura dele, até que depois de algum tempo chegaram e encontraram-no deitado à beira da flor enorme. Depois de o levarem para casa, toda a gente da aldeia reparou na flor e souberam que este menino fez um ato muito bonito em ajudar a flor.
  
 Barbara - E B de Valença - 4.º ano, turma G






A Maior Flor do Mundo
Numa aldeia vivia um herói com os seus pais.
Logo no início, o menino saiu pelo quintal, salta de árvore em árvore como um pintassilgo, desceu o rio numa lenta brincadeira.
A certa altura chegou ao limite das terras até onde conhecia.
O rio dava curvas e voltas, até que o menino se cansou e virou a direito. Passou por extensos olivais, campainhas brancas, etc. Mas antes parou e perguntou: Vou ou não vou?
 O nosso menino subiu uma montanha e quando chegou ao cume encontrou uma flor murcha, mesmo muito murcha. Ele decidiu ajudá-la. "Mas onde estava a água?"
Teve que descer até ao rio e fazer muitas viagens porque só chegavam até lá três pingas de água. Até que o menino adormeceu debaixo da flor, de cansaço.
A flor, para lhe agradecer deixou cair uma pétala em cima dele para o proteger do fresco da tarde.
Pouco tempo depois, os pais, que andavam à procura dele, encontraram-no. Ele foi levado para casa. Quando andava pelas ruas, as pessoas diziam que ele saiu da aldeia para fazer algo maior que o seu tamanho, maior que todos os tamanhos. Tinha salvo uma planta de morrer à sede.

Íris Páris - E B de Valença - 4.º ano, turma H

A Maior Flor do Mundo
Um  menino, estava no fundo do quintal, começou a saltar como sempre, de árvore em árvore, foi até um rio, ali perto e aí perguntou: "Vou ou não vou? Porque, a partir dali, ele nunca tinha estado.
Lá havia uma grande floresta com cheiro a caule sangrado.
Por perto, encontrou uma flor murcha. O menino teve pena dela e foi ao rio buscar água que levava na mão. Mas quando lá chegava, ao sítio da flor, apenas sobravam gotinhas. Porém, pouco a pouco, a flor foi crescendo e ficou muito grande.
O menino, já cansado adormeceu debaixo da flor. Esta, para devolver o favor, deixou cair uma pétala para aconchegar o menino.
Enquanto isso tudo, os pais do menino estavam muito  preocupados. Procuraram-no em todo o lado mas não aparecia.
Quando o encontraram, ele estava ao lado da flor a dormir.
A partir desse dia, na sua aldeia, todos diziam que ele fez uma coisa muito maior do que o seu tamanho.

Martim Sousa - E B de Valença - 4.º ano, turma H


  
      A Maior Flor do Mundo

Era uma vez um menino chamado Pedro. Um dia, ele fugiu pelas traseiras do quintal.
Andou… Andou…, até que encontrou um rio e disse: "Vou ou não vou?" E foi!
Algum tempo depois viu uma montanha e uma flor murcha. Ele teve pena e foi ajudar a flor, mas o rio estava longe. Ele foi buscar água, mais de vinte vezes, andou para lá e para cá.
A flor começou a crescer e, enquanto o Pedro lhe dava água, mais ela crescia.
O menino ficou com sono e adormeceu. A flor deixou cair uma pétala para tapar o Pedro. Os pais do menino ficaram preocupados e foram à procura dele, passado algum tempo encontraram-no e levaram-no para casa.
No regresso, mais parecia um desfile e toda a gente da aldeia comentava o gesto do menino Pedro.

Caetana Covas - E B de Valença - 4.º ano, turma I

A Maior Flor do Mundo
Era uma vez um menino que fugiu de casa, pelas traseiras. Andou…, andou… e como tinha medo pensou: "Vou ou não vou?"
E foi! chegou a uma colina e viu uma flor muito murcha. Então, foi procurar um rio. Pegou, com a concha da mão, água e levou-a até à flor.
Mas, quando chegou lá, só tinha três gotas, mas ainda conseguiu.
A flor cresceu! E o menino adormeceu debaixo dela. Então a flor deixou cair uma pétala com as cores do arco-íris por cima dele.
Quando o pai e a mãe se aperceberam da sua falta, foram à procura do menino. Viram-no deitado, a dormir e a flor muito grande e bonita. Levaram-no para casa.
Quando as pessoas da aldeia viram o menino, perceberam logo que ele tinha feito algo fantástico.
Desde esse momento, as pessoas só comentavam a grande aventura do menino.

Inês Carmo - E B de Valença - 4.º ano, turma I




Friestas, 14 de março 2017

Olá querida amiga flor!

Está tudo bem contigo? Precisas de mais água? Precisas de mais terra?
 Espero que ainda consigas perfumar o ambiente da tua pequena e inclinada colina. Estou muito agradecido pelo que fizeste por mim, essa tua pétala era esplêndida, tinha uma fragrância maravilhosa e todas as vivas cores do arco-íris. A melhor pétala que já vi na minha vida.
Quanto a mim, fui levado de novo para a minha pequena e humilde aldeia. Quando acordei, os meus pais deram-me um enorme abraço.
A partir desse dia fui tratado como um rei, por todos, sobretudo pelos meus pais.
Não fiques triste. Não fiques triste. Na próxima semana voltarei e levar-te-ei, num cântaro, água fresca do rio e podemos falar sobre nós.

Beijinhos do menino que te salvou a maravilhosa vida.
 Manuel

   Érica Fernandes - E B de Friestas - 4.º ano

Friestas , 21 de março 2017
Olá querido amigo Manuel!
 
Como está a correr a escola, as notas estão boas?
Como estás?
Quando o inverno chegou as minhas pétalas caíram lentamente, fiquei nua e cheia de frio , o meu caule ficou congelado com o gelo que caía das enormes nuvens . Mas finalmente esse pesadelo horrível passou! A primavera chegou e as pétalas cresceram novamente e ficaram ainda mais resistentes, perfumadas e coloridas e o meu caule ficou muitíssimo verde, parece uma pedra preciosa. Agora já sei que posso contar contigo nas minhas dificuldades! És o meu melhor amigo, fantástico e bonito, nunca te esquecerei.                                                                                                                                                                    
Beijinho da tua melhor amiga flor!
Leonor Santos -E B de Friestas - 4.º ano
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          


Sem comentários:

Enviar um comentário

Oferta de livros às escolas

A Câmara Municipal de Valença ofereceu a todas as escolas básicas algumas interessantes obras para leitura e pesquisa. Os agradecim...